Projeto Albatroz comemora 21 anos com show de Lenine

O Projeto Albatroz comemora os seus 21 anos com show de um dos mais renomados músicos brasileiros: Lenine que, no dia 30 de novembro (sexta-feira) se apresenta no Teatro Municipal Coliseu, em Santos (SP), às 21h.  O show faz parte da turnê  “Chão” e  já foi visto em mais de 20 cidades brasileiras, passando também por Chile, Argentina e Uruguai, além de cidades europeias como Paris, Milão e Toulose.

“Lenine, além de ser um grande músico,  é também reconhecido pelo apoio a organizações que atuam na área de conservação do meio ambiente. Assim, é uma grande honra celebrar os 21 anos do Projeto Albatroz com a promoção do seu show”, comenta Tatiana Neves, coordenadora geral da organização.

Produzido e tocado por Bruno Giorgi, JR Tostoi e Lenine (esse último também assina a direção musical do espetáculo), “Chão” é o décimo álbum da carreira do músico. O cenário, criado por Paulo Pederneiras, diretor de arte do espetáculo, é ambientado em tons de vermelho, que ocupam apenas o chão da caixa cênica, em contraste com o entorno totalmente negro. Três lâmpadas, uma sobre cada um dos músicos, completam o cenário.

Numa evidente opção estética – instigada pelo canto de um pássaro, que invadiu a gravação de uma das faixas – o trabalho revela-se “eletrônico, orgânico e concreto”, com dez músicas inéditas, imersas na delicada intimidade de ruídos sem edição.

“No início, havia apenas a palavra e meu principal significado de chão: tudo aquilo que me sustenta. Chão, quase onomatopeia do andar – que soa nasal, reverbera no corpo todo. É pessoal, passional e intransferível” – conta Lenine, explicando como surgiu a inspiração para o nome do disco e, consequentemente, da turnê.

Comemoração. Neste ano, o Projeto Albatroz já realizou outros eventos comemorativos aos seus 21 anos. Entre eles, o lançamento da Exposição de Fotos “Projeto Albatroz: Conservando a Biodiversidade Marinha”, na Pinacoteca Benedicto Calixto, em Santos (SP). A Exposição apresenta 16  fotos  que mostram a interação de albatrozes e petréis com a pesca, além de imagens que retratam a beleza dessas aves oceânicas. Desde outubro, a Exposição de Fotos está em cartaz na base do Projeto Tamar em Ubatuba (SP), onde fica até o final de novembro. Em seguida, será exposta  no foyer do Teatro Coliseu, na noite de realização do show “Chão”.

Projeto. Criado em 1991 em Santos (SP), o Projeto Albatroz é uma organização da sociedade civil que tem como objetivo proteger albatrozes e petréis, aves oceânicas ameaçadas de extinção, ao mesmo tempo que colabora com a conservação da biodiversidade marinha. Para tanto, desenvolve ações de educação ambiental junto aos pescadores e ao público em geral, além de realizar pesquisas para subsidiar políticas públicas de conservação.

O Projeto é patrocinado pela Petrobras, por meio do Programa Petrobras Ambiental, e tem o apoio da Royal Society for Protection of Birds (RSPB), da Birdlife International,  do programa Albatross Task Force (ATF), da Save Brasil e do Ministério da Pesca e Aquicultura, além da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), da Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e do Governo do Estado do Espírito Santo, por meio do seu Instituto Estadual de Meio Ambiente.

Espécies ameaçadas. Das 22 espécies de albatrozes que constam da Lista Vermelha da União para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), 17 estão ameaçadas de extinção em algum nível. No Brasil, das espécies de albatrozes que interagem com a pesca de espinhel pelágico, seis estão na lista nacional de espécies ameaçadas e são consideradas como parte da fauna brasileira.  Duas espécies de petréis (ou pardelas) também fazem parte da fauna brasileira e da lista nacional e internacional de espécies ameaçadas. Os petréis integram a ordem Procellariiformes, a mesma dos albatrozes, e sua conservação também faz parte do trabalho do Projeto Albatroz.

A principal causa de ameaça de extinção dessas aves é a sua captura não intencional pelos barcos de pesca de espinhel pelágico. Ao serem atraídas pelas iscas lançadas, como lulas ou sardinhas, ficam presas nos anzóis e morrem afogadas.
Albatrozes e petréis vivem em alto-mar durante todo ano, indo para ilhas distantes apenas para se reproduzirem, e destacam-se pelo alto grau de especialização a esse estilo de vida.

 

Lenine – Chão

Dia: 30 de novembro de 2012
Horário: Sexta 21h.
Preço: R$ 30,00 a R$ 60,00

Ingressos: Compre Ingressos

Classificação Livre

Teatro Coliseu

Rua Amador Bueno, 237

Centro – Santos

(13) 4062 0016

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s