Bilhetes da linha do bonde agregam novas informações

Um novo modelo de ingresso para a Linha Turística do Bonde começa a ser comercializado a partir de hoje. São duas variações (meia-entrada e inteira) para os passeios no roteiro regular e outras duas para as linhas temáticas (bondes Arte e Café), todas impressões coloridas. O formato diferente traz novidades, como informações importantes para os passageiros no verso do bilhete, com versão em português e inglês para atender também à demanda de turistas estrangeiros. Na capa, outro diferencial: espaço para registro do horário do embarque, o que será possível para quem fizer o agendamento da viagem. O bilhete tem uma comunicação moderna para continuar sendo uma lembrança para o passageiro. Em acordo com a atual situação econômica, que exige redução de gastos, os novos modelos foram confeccionados em tamanho menor ao anterior e usando papel de outra textura. O custo foi diminuído, mas a qualidade mantida.

INGRESSOS

O ingresso custa R$ 6,50, com meia-entrada para maiores de 60 anos e estudantes. É concedida isenção a menores de cinco anos, guias de turismo que estejam a trabalho, alunos do ensino fundamental das escolas públicas, entidades de filantrópicas ligadas à Prefeitura, integrantes de centros de convivência da Secretaria de Assistência Social e para treinamentos promovidos pela Secretaria de Turismo – desde que as viagens sejam agendadas.

Bonde Turístico

bonde1bonde2

Bonde Restaurante já conta com cozinha planejada e armários

O futuro Bonde Restaurante, que promete ser em breve uma das grandes atrações da linha turística do Centro Histórico, foi contemplado com mais um equipamento importante: uma moderna cozinha planejada (foto). O espaço estará equipado com pia de granito e cuba de inox, dois frigobares navais e mobiliário para fornos e prateleiras.

O elétrico, de origem italiana (1933), aos poucos vai ganhando nova cara com os serviços de restauração e montagem realizados por uma equipe especializada da CET, na Oficina do Valongo.

Além da cozinha completa, o veículo já dispõe de elevador automático para a acessibilidade, banheiro moderno (padrão de ônibus rodoviário) e inversores de frequência, espécies de transformadores elétricos que fornecem a potência ideal para o funcionamento dos aparelhos. Também já chegaram 34 cadeiras de policarbonato, que ainda serão afixadas.

Trabalhos

O bonde já recebeu reparos de funilaria e banho de fundo antiferrugem. Ainda faltam a reforma do piso e do teto, instalação do sistema elétrico, ar condicionado, truck (chassi), colocação das mesas e cadeiras, além da pintura e envelopagem temática.

“A restauração leva tempo, já que exigem tarefas bem racionalizadas e com boa dose de criatividade, em especial nos serviços de readequações e acabamento”, explica Vander Raitz, encarregado dos trabalhos de carpintaria e marcenaria. Ele cita, por exemplo, a confecção das mesas (total de 13), de madeira compensada, que estão sendo fabricadas pela própria equipe da CET.

“Para aproveitar melhor o espaço interno do veículo, criamos um sistema de mesas retráteis, que fecham com dobradiças invisíveis inspiradas nas utilizadas nos trens de alta velocidade da Europa. Já as cadeiras de policarbonato, com design italiano, serão afixadas com base de estrutura de alumínio desenvolvida em nossa oficina”, completa Vander.

Único na América Latina

O Bonde Restaurante está sendo readequado em um modelo articulado “Ristocolor”, que durante muitos anos circulou pelas ruas de Turim. Quando estiver pronto (a previsão é junho deste ano), terá capacidade para transportar até 34 pessoas.

Ele será o único em toda a América Latina a contar com restaurante em um espaço com decoração requintada, oferecendo salão com mesas e cadeiras e som multimídia para animar festas, jantares, buffets e solenidades.

“Será algo diferente em relação aos outros bondes temáticos como o Pelé e o Café. Os passageiros passearão observando os pontos turísticos e saboreando pratos e bebidas especiais, em um ambiente climatizado, a exemplo do que ocorre em alguns sistemas de elétricos turísticos, na Europa, Austrália e Nova Zelândia”, salienta o presidente da CET, Antonio Carlos Silva Gonçalves.

Ele lembra que além do Bonde Restaurante, a CET também realiza estudos para colocar em circulação outro veículo gastronômico, o Bonde Sushi, que servirá comida japonesa.

Bonde Turístico e Bonde Café

bonde (5)

Bonde regular

Funcionamento

– Terça a sexta, das 11h às 17h (saídas a cada hora) – Sábados, domingos e feriados, das 11h às 17h (saídas a cada 30 minutos da Praça Mauá)

Roteiro: Saída Praça Mauá / Praça Rui Barbosa / Palácio Saturnino de Brito / Monte Serrat / Praça José Bonifácio / Rua General Câmara / Praça Mauá / Rua do Comércio / Valongo / Praça Barão do Rio Branco / Praça da República / Casa do Trem Bélico / Outeiro de Santa Catarina / Rua General Câmara / Retorno Praça Mauá.

Duração de 40 minutos.

Obs.: Os visitantes do Museu Pelé podem embarcar no Bonde, no Valongo, caso haja lugares. O valor do ingresso será o mesmo: R$6 (inteira) e R$3 (meia). O passageiro terá a opção de ir até a Praça Mauá e desembarcar, ou também, poderá permanecer no bonde e fazer a outra parte do passeio (Monte Serrat) com o mesmo ingresso.

Bonde Café

Funcionamento

– Quinta e sexta, com saídas às 14h30, 15h30, 16h30 – Sábados, domingos e feriados, das 11h20 às 16h20 (saídas a cada hora da Praça Mauá)

Roteiro: Saída Praça Mauá / Rua do Comércio / Valongo / Praça Barão do Rio Branco / Praça da República / Casa do Trem Bélico / Outeiro de Santa Catarina / Rua General Câmara / Retorno Praça Mauá.

Duração de 25 minutos.

Valor: R$6 (seis reais), de acordo com o decreto nº 6871. Isenções para crianças de até 05 anos, guias de turismo a trabalho (acompanhados de grupo) e para viagens previamente agendadas. Meia tarifa para maiores de 60 anos e estudantes.

Bonde 40 terá pintura original

bonde

O famoso bonde 40, conhecido como camarão e integrante da linha turística que percorre o Centro Histórico, será apresentado à população nas cores prata e vermelha, pintura original da época em que circulava pela cidade, no final da década de 60. O lançamento, na próxima segunda-feira (23), marcará o ‘Dia Municipal do Bonde’, às 10h, na praça Mauá.

Um grupo de restauradores da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) iniciou os serviços no veículo em abril, na garagem do Valongo. O resgate histórico foi possível a partir de uma foto, encontrada na Fundação Arquivo e Memória de Santos. As cores prata e vermelha também representam o fim de um ciclo, isto é, o momento em que o sistema foi extinto, em fevereiro de 1971.

No evento também haverá uma exposição com os seis bondes em operação e restaurados pela CET, entre 10h e 16h – o aberto escocês (o mais antigo do Brasil em circulação), um português, um italiano, dois reboques, além da apresentação do bonde 40 com o novo layout.

Banners foram confeccionados com a ficha técnica de cada veículo, com fotos originais da época em que operavam, para mostrar o trabalho minucioso de restauração executado em cada exemplar do Museu Vivo. Também haverá exposição de maquetes no hall da prefeitura, e que permanecerá até 13 de outubro.

Bonde recebe pintura da época em que sistema foi extinto na cidade

bonde antigo

Fundo prata, faixas e detalhes de um vermelho vibrante. Essas eram as cores dos bondes que rodavam pelas ruas de Santos quando o sistema foi extinto, em 28 de fevereiro de 1971. Com a proposta de resgatar a memória deste momento da história do transporte coletivo local, a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) promove a restauração de um dos exemplares da linha turística do Centro com as cores da época.

O trabalho se tornou possível graças à pesquisa realizada no acervo da Fams (Fundação Arquivo e Memória de Santos), onde foram localizadas fotos do período em bom estado de conservação. A equipe da CET está reproduzindo fielmente os tons da pintura e a logomarca do SMTC (Serviço Municipal de Transportes Coletivos), que operava o sistema.

Com carroceria fechada fabricada pela própria SMTC na década de 1950 e estrutura mecânica escocesa, o bonde 40, conhecido como ‘camarão’, roda na linha turística desde janeiro de 2002. Além da pintura especial, ele está recebendo novas rodas, vedação, calefação, manutenção mecânica e teve portas, janelas e chaparia recuperadas. Assim que o trabalho for concluído, o exemplar volta a circular pelo Centro.

Bonde ainda tem datas livres para agendamento de grupos

bonde

Ainda há datas livres neste mês destinadas a escolas e entidades interessadas em levar grupos para passeio monitorado na linha turística do bonde. Os interessados devem entrar em contato com a Setur (Secretaria de Turismo) pelo telefone 3201-8000, de segunda a sexta, das 9h às 12h e das 14h às 17h.

O embarque dos grupos, com no mínimo 10 pessoas, é na Estação do Valongo (Largo Marquês de Monte Alegre, 1) e cada viagem tem duração de 40 minutos – a capacidade é de 45 passageiros. Às terças e quartas, há sete horários entre 10h e 16h, com saídas a cada hora, enquanto às quintas e sextas, o atendimento é às 10h, 11h e 12h.

Entidades filantrópicas, escolas públicas de Santos, cecons e grupos de treinamento da Setur estão isentos, por decreto, do pagamento da passagem.

Linha Turística do Bonde terá percurso reduzido de domingo até o dia 21

bonde

Circulação de carros alegóricos para os desfiles de Carnaval, realização da prova ciclística Downhill Urbano – Descida das Escadas de Santos e obras de melhorias nos trilhos dos bondes. Esses três fatores levaram a Setur (Secretaria de Turismo) e a CET a alterar o percurso da Linha Turística de Bonde de domingo (10) até o dia 21.

Neste sábado (9), o bonde circulará normalmente das 11h às 17h, fazendo o circuito completo, de 5km, a cada meia hora. De domingo a terça (10 a 12), e de quinta (14) até o dia 21, o elétrico manterá o mesmo horário e intervalo de funcionamento, mas cumprirá apenas o circuito Praça Mauá, Valongo e Outeiro de Santa Catarina, com 2,5km.

Já na quarta-feira de Cinzas (13), o bonde começa a circular uma hora depois, isto é, às 12h, mantendo a última saída às 17h, como de hábito – este horário não será alterado em nenhum dia.

A prova ciclística nas escadarias do Monte Serrat está marcada para o dia 17, mas o reconhecimento do espaço e os treinos serão realizados nos dois dias anteriores. As obras de melhorias nos trilhos do bonde estão previstas para o período de 13 a 21.

Era de ouro dos bondes é vivenciada na linha turística

bondes

Quem tem menos de 65 anos dificilmente terá ideia do quanto pode ser uma experiência culturalmente enriquecedora andar na Linha Turística de Bondes, em especial se este passeio for feito nos bondes aberto e reboque, que atualmente circulam juntos.

Os dois veículos são o símbolo preservado de um momento histórico, que remete à época de ouro dos bondes no País, entre as décadas de 30 e 40 do século passado.

Os passeios são feitos de terça a domingo, das 11 às 17 horas. A passagem custa R$ 5,00, com gratuidade para crianças de até cinco anos. Idosos com idade igual ou superior a 60 anos e estudantes (com documento de identificação escolar) têm 50% de desconto na tarifa.

Bonde turístico proporciona viagem ao passado

bonde

Um veículo muito antigo que passa por um percurso de cerca de cinco quilômetros entre 30 e 35 minutos e, ao final deste tempo, quase sempre recebe aplausos. Assim, é o passeio nos bondes turísticos que percorrem o Centro Histórico de Santos.

A diversão começa na fila, na Praça Mauá, o ponto inicial e também final desta viagem pelas linhas do tempo. Conduzido pelo carinho e memória de pessoas como o “Vovô Sabe Tudo” Josué Jerônimo de Campos, os passageiros embarcam na linha que leva a um mundo que pertence a várias épocas, desde a fundação da Vila de Santos até a virada deste século, quando 29 anos após longa aposentadoria, os bondes voltaram às ruas na forma de atração turística.

Campos – e outros “vovôs sabem tudo” – explicam aos viajantes o funcionamento do sistema, os graus de aceleração, os freios e, principalmente, a ligação dos equipamentos – alguns com mais de um século de vida – com a história da Cidade.
E ele sabe bem mesmo: ingressou no serviço como motorneiro de bondes, em 1963. Sua vida trepidou leve nos trilhos ao som ronronante do motor elétrico por oito anos, até que o sistema – considerado ineficiente em 1971 – fosse aposentado pelos motores a diesel.

Então, Campos foi para as linhas regulares de ônibus, mas o coração ficou ainda ligado na eletricidade da linha dos bondes “camarão” (os fechados).

Nos últimos 12 anos, período em que os bondinhos foram reativados, eles já transportaram mais de 1.2 milhão de passageiros, segundo informações da Prefeitura, Somente no ano passado, 91.354 pessoas fizeram o passeio – um crescimento de 4,78% em relação ao ano anterior (87.185 passageiros).

Mas, embarcar no número 8, 14 ou algum dos outros dez veículos da frota santista de bondes, é mesmo uma viagem ao passado. Um guia turístico, como Sheila Nascimento, segue no veículo explicando os ciclos da Cidade a partir de suas construções, que passam pelas janelas centenárias do bonde. O trajeto percorre 18 vias do Centro. No total, os passageiros podem parar em quase 40 pontos de visitação.

Para o argentino Carlos Sabater, o bonde tem a cara de sua própria história: “Lembrei das viagens da adolescência até o colégio, em 1961; do chacoalhar suave, da areia jogada sobre os trilhos, do tempo dos chapéus…”. Para seu amigo, também argentino, Roberto Pereyra, o Centro Histórico de Santos se parece com Puerto Madero, um bairro histórico à beira do Rio da Prata, em Buenos Aires.

Passeios

As saídas da Linha Turística de Bondes acontecem de terça-feira a domingo, das 11 às 17 horas, a cada 30 minutos, na Praça Mauá, no Centro Histórico. A passagem custa R$ 5,00, com gratuidade para idosos (maiores de 60 anos), crianças menores de cinco anos e estudantes (mediante apresentação de documento).

 

A Tribuna

Enhanced by Zemanta

Bonde turístico tem percurso reduzido para reparos nos trilhos

Em função de reparos nos trilhos, o bonde turístico terá nesta quinta-feira (25) o percurso reduzido, circulando pela praça Rui Barbosa, Monte Serrat, Castelinho (sede da Câmara), Fórum, Teatro Coliseu, ruas General Câmara e do Comércio, Estação do Valongo, porto, rua Augusto Severo e Estação Buck Jones, na praça Mauá, ponto de embarque.

A passagem custa R 5,00 – menores de cinco e maiores de 60 anos não pagam. Os elétricos funcionam de terça a domingo das 11h às 17h, e às quintas e sextas, até as 14h.

Enhanced by Zemanta

Linha Turística do Bonde completa 12 anos e mais de 1 milhão de passageiros

Cercado de glamour, o bonde turístico que circula no Centro Histórico, que domingo (23) completa 12 anos, caiu no gosto de santistas e visitantes. Presente no imaginário dos mais antigos que o utilizavam como meio de transporte, hoje o veículo elétrico faz parte do cotidiano de crianças, adultos e idosos.

Domingo, também se comemora o Dia do Bonde, conforme a lei municipal 2551/2008. Segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), desde sua inauguração, em 23 de setembro de 2000, até agosto deste ano, a linha criada pela prefeitura já transportou mais de 1 milhão de passageiros.

O casal santista Amilcar e Guiomar Almeida guarda boas recordações dos modais. “Somos do tempo em que o bonde era o principal meio de transporte coletivo na cidade. Era uma época romântica e tranquila. Depois, eles foram desativados. O retorno como linha turística foi maravilhoso. Acho que deveria ser ampliada até a praia”, disse Amilcar.

As jovens gaúchas Keila dos Reis (jornalista) e Denise Prado (advogada) vieram a Santos para um casamento e decidiram passear no bonde. “É um passeio incrível e diferente. Os guias são bem treinados e nos levam a locais interessantes. Santos não é só praia e porto. A cidade tem muita história e beleza”, afirmou Keila. A guia de turismo da Setur Ana Cristina Berrettini aponta o “fascínio” que o bonde exerce nos turistas. “Acompanho visitantes de todos lugares e eles adoram. O bonde é como um museu vivo, pois transporta os turistas para diversos pontos históricos”.

O retorno dos veículos elétricos tem um significado especial, já que Santos tornou-se pioneira no país na recuperação de sistemas originais de funcionamento deste tipo de modal. A implantação do serviço representou grande desafio técnico, pois os bondes deixaram de circular na cidade em 1971. As informações elétricas e mecânicas, bem como a recuperação de documentos, fotos e plantas, foram necessárias para o desenvolvimento do projeto.

Museu Vivo
Hoje, Santos tem o Museu Vivo de Bondes, com 12 veículos procedentes de vários países. Seis estão em circulação: três escoceses, dois portugueses, além de outro escocês que serve de posto de informações turísticas no Gonzaga. Ainda esta semana, a CET colocou em operação o bonde aberto escocês que circulou de 1911 a 1971. Ele foi restaurado, com a preservação das características originais, pela equipe técnica da empresa.

Na garagem da CET estão alguns exemplares de Portugal, Itália e Estados Unidos à espera de restauração. A prefeitura mantém contato com cidades de outros países para a ampliação do acervo. Em agosto, Nagasaki (Japão) doou um bonde para cidade, que deve ser entregue em até dois anos.

Passeio
Passear de bonde pelas ruas do Centro Histórico é como voltar a um passado de nostalgia e romantismo. A saída é da Estação Buck Jones (Praça Mauá). O trajeto tem cinco km e leva 45 minutos acompanhado de guia bílingue, que conta a história da cidade e dos locais.

O roteiro envolve 40 pontos turísticos, históricos e culturais, como a Estação do Valongo, Catedral, Teatro Coliseu, Pantheon dos Andradas, Palácio Saturnino de Brito (Sabesp), Bolsa do Café e Monte Serrat, entre outros. O bonde circula de terça a domingo, das 11h às 17h. O ingresso custa R$ 5,00.

A Setur (Secretaria de Turismo) também agenda passeios para grupos de escolas, associações, entidades, empresas e idosos. Mas é preciso agregar, no mínimo, 10 pessoas por viagem (o bonde tem capacidade para 45 passageiros). Contatos pelo telefone 3201-8000.

A importância da linha turística do bonde é tanta que transcende as fronteiras. Visitantes de todo o Brasil e de outros países participam dos passeios pelo Centro Histórico. O bonde agregou mais importância turística à cidade, que tem servido de cenários para filmes, documentários e minisséries. Conjuntos musicais (chorinho, jazz e MPB) já embalaram turistas nos passeios.

Os atrativos não param por aí. Em fevereiro, os modais surgem decorados no ‘Carnabonde’, festa que abre oficialmente o Carnaval em Santos, reunindo milhares de foliões na área central. O livro “Santos e seu Museu Vivo de Bondes”, de 2011, realizado pela Secom (Secretaria de Comunicação Social), contém informações, depoimentos e fotos sobre a história dos veículos na cidade.

Representantes da Prefeitura de Porto Alegre conhecem Linha Turística de Bondes

Representantes da Prefeitura de Porto Alegre visitaram terça-feira (28) a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) para conhecer detalhes da Linha Turística de Bondes e o método de restauro dos veículos elétricos na garagem da empresa. Depois, os visitantes fizeram um passeio de bonde no Centro Histórico. O objetivo da visita foi colher subsídios para a implantação de sistema idêntico na capital gaúcha.

Prefeitura de Nagasaki doa bonde da década de 50 para Santos

Mais um bonde passará a compor o acervo do Museu Vivo do Bonde de Santos. Desta vez o exemplar vem do Japão. O equipamento, chegará ao Município em dois anos.

O anúncio da doação do exemplar de 1950 foi feito nesta terça-feira pelo prefeito  de Nagasaki, Tomihisa Taue, durante a comemoração de aniversário dos 40 anos da irmanação entre as duas cidades, no salão nobre do Paço Municipal.

Em ato simbólico, o prefeito João Paulo Tavares Papa foi presenteado com duas peças do carro, considerado o mais antigo daquele país. “Esse bonde já foi muito utilizado no Japão e depois do pedido de Santos foi decidida a doação para preservar a memória dos laços de amizade entre as duas cidades”, disse Taue.

O modelo passará a integrar a frota de veículos da Cidade, que já conta com modelos de vários países, como Escócia, Itália e Estados Unidos. “Nosso museu é referência mundial e a doação demonstra amizade, respeito e o quanto Nagasaki quer bem o povo de Santos”, disse Papa.

Além dos modelos nacionais, o acervo do Museu Vivo do Bonde conta com exemplares originários de Portugual, Itália, Estados Unidos e Escócia.

 

A Tribuna

Enhanced by Zemanta

Volta do bonde aberto reflete no aumento de passageiros

O bonde aberto 32, o mais antigo do Brasil, voltou a circular pelas ruas do Centro Histórico de Santos, no litoral de São Paulo. Turistas e moradores podem conhecer vários pontos que marcaram a história da cidade em um dos veículos que fizeram parte do desenvolvimento do país.

O bonde passou por uma minuciosa restauração realizada por funcionários da Companhia de Engenharia de Tráfego. A intenção foi preservar as características originais do veículo dos anos 50, quando recebeu a sua primeira reforma. Marcos Rogério Nascimento, engenheiro responsável pela restauração, conta que o bonde faz parte do 3º lote de veículos que vieram da Escócia, em 1911. Na remodelação dos anos 50, houve a mudança de algumas características do bonde.

Em 2000, ele passou pelas mãos de Nascimento para que o carro voltasse a funcionar. Ele conta que não houve preocupação em restaurar a parte estética do veículo, apenas a motora. Já em 2009, o bonde aberto 32 já estava com as estruturas danificadas novamente e foi tirado de circulação. Durante anos foi realizada uma pesquisa histórica sobre os bondes que existiam em Santos e foi encontrada uma foto da década de 50, guardada pela Fundação Arquivo e Memória de Santos, que serviu como base para que ele pudesse receber uma nova roupagem.

Os oito profissionais responsáveis pela restauração receberam fotos antigas do bonde e trabalharam para deixa-lo igual a imagem. Para arrumar a parte estrutural que estava comprometida, eles desmontaram a carroceria do veículo.“Tivemos que estudar como eram as coisas da época. Tanto a parte mecânica, quanto elétrica, são de projetos do final do século 19. Todos os critérios e técnicas antigas de montagem foram preservadas, justamente para preservar o museu vivo que é o bonde”, diz ele.

Além disso, o veículo recebeu antigos anúncios publicitários em suas extremidades. As propagandas são idênticas as de antigamente e são removíveis. Nascimento explica que o objetivo é trocar as propagandas periodicamente em datas específicas como nas férias e no Natal. O engenheiro falou que ainda procura historiadores e pessoas que possam contribuir para a elaboração desses anúncios publicitários de época. A intenção dele é resgatar essa parte da história da comunicação da cidade e do país. “As pessoas acabam lembrando e isso traz um ar de nostalgia”, diz.

Passeios
A Linha Turística de Bondes funciona de terça a domingo, das 11h às 17h, com saída da praça Mauá, ao preço de R$ 5,00. Maiores de 60 anos, estudantes (com documento de identificação escolar) e grupos de entidades assistenciais (devidamente certificadas) têm 50% de desconto.

 

O Retorno

O retorno do bonde aberto 32 às ruas, dia 14 passado, após minuciosa restauração feita pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), teve reflexo direto no aumento do número de visitantes que fizeram o passeio no último final de semana.

A Linha Turística recebeu 949 passageiros no sábado (18) e domingo (19), (528 e 421, respectivamente). Ou seja, acréscimo de 67% em relação à média dos finais de semana de agosto de 2011, com 565 passageiros (302 aos sábados e 263 nos domingos).

 

 

G1

Enhanced by Zemanta

Bonde aberto 32 encanta turistas na volta aos trilhos

“Uma maneira diferente e agradável de conhecer um pouco da cidade”. É assim que o contador Valentin Folkin,morador de Praia Grande, define o passeio no bonde aberto 32, que voltou aos trilhos nesta terça-feira (14) no Centro Histórico, após reforma que preservou suas características originais. “Ele nos permite ter mais tempo para apreciar os pontos turísticos”, acrescenta Folkin, que estava acompanhado da mulher, Valia, da filha, Adriana, e do genro, Fabrício.

O bonde aberto 32, atualmente o mais antigo do país, passou por minuciosa restauração realizada pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Agora circula com as características dos anos 50, data de sua primeira reforma. Isso foi possível após a descoberta de uma foto de época, guardada na Fams (Fundação Arquivo e Memória de Santos). O registro serviu de base para que o veículo pudesse receber a nova roupagem, com antigos anúncios publicitários.

O resultado do trabalho pôde ser visto ontem nas ruas, com a excelente receptividade de santistas e visitantes. “Como valorizo muito a história, passear de bonde pelos pontos históricos me faz voltar ao passado, além de ser um incentivo para as crianças”, diz a dona de casa Sirléia Souza Rangel, também residente em Praia Grande, ao lado do neto, João Felipe, de 3 anos.

Passeios

A Linha Turística de Bondes funciona de terça a domingo, das 11h às 17h, com saída da praça Mauá, ao preço de R$ 5,00. Maiores de 60 anos, estudantes (com documento de identificação escolar) e grupos de entidades assistenciais (devidamente certificadas) têm 50% de desconto.

Enhanced by Zemanta

Linha turística de bondes serve de referência para Vila Velha

Sucesso de público, a linha turística de bondes de Santos serve de referência para outros municípios. É o caso de Vila Velha (ES), que pretende criar um serviço similar em seu centro histórico. Na semana passada, o gerente de manutenção da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), Marcos Rogério Nascimento, esteve naquela cidade para avaliar o circuito. “Percebemos que é um local viável para colocação de trilhos e elaboração de estudo de impacto no trânsito”.

Segundo Nascimento, Vila Velha tem como Santos um centro antigo rico em história, com destaque para o Convento Nossa Senhora da Penha, Igreja do Rosário e Rua da Praia. Durante a visita, ele verificou as condições de restauro e operação do bonde. Trata-se de um veículo fabricado pela empresa norte-americana J.G. Brill em 1912.

“Apesar de estar somente na carcaça, o bonde tem condições de uso se for feita a restauração e adaptação às rodas no novo circuito”, disse Nascimento, acrescentando que a CET dará apoio ao trabalho de restauro do veículo, além de emprestar uniformes de motorneiros dos bondes santistas para servir de modelo na confecção de peças para o pessoal de Vila Velha.

Em Santos
Desde setembro de 2000, quando entrou em operação, a linha turística de bondes, composta por cinco veículos e um reboque, transportou mais de um milhão de passageiros. Os passeios são feitos de terça a domingo, das 11h às 17h, com saída da Praça Mauá. O trajeto, de cinco quilômetros de extensão, inclui 40 pontos de interesse cultural e arquitetônico do Centro Histórico.

Enhanced by Zemanta

Angélica passeia de bondinho com Ney Latorraca

A apresentadora visitou o centro histórico a cidade natal do ator, Santos, litoral de São Paulo.

Angélica conheceu bem de perto as edificações históricas do Centro de Santos, litoral de São Paulo. O passeio divertido aconteceu durante as gravações do programa “Estrelas”, na manhã de sexta-feira (20), e ao lado de Ney Latorraca, que nasceu na cidade.
A apresentadora, circulou a bordo de um bondinho que percorre endereços importantes de Santos, como a antiga Bolsa Oficial do Café, o Outeiro de Santa Catarina, marco inicial da fundação da cidade, a Estação Ferroviária do Valongo, uma das primeiras do Brasil e o Santuário Santo Antônio do Valongo, fundado em 1640.

Enhanced by Zemanta

CET prepara recuperação original de bonde escocês

O bonde de origem escocesa que foi o primeiro a retornar às ruas em 2000 quando a prefeitura implantou a linha turística, está quase pronto para voltar novamente ao bonde escocês, agora com suas características originais.

Há quase um ano em manutenção na garagem da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), o veículo de 1911 passa por criterioso trabalho de reconstrução, sob responsabilidade de oito funcionários – eletricistas, carpinteiros, mecânicos, caldeireiro e pintos – que toparam o desafio de iniciar a restauração fiel do centenário bonde.

A partir de uma foto do acervo da Fams (Fundação Arquivo e Memória de Santos), do tempo em que o carro fazia o transporte coletivo na cidade (de 1911 a 1971), o gerente de manutenção da CET, Marcos Rogério Nascimento e sua equipe vislumbraram a possibilidade de estabelecer um novo conceito de recuperação. “Na primeira reforma o resultado ficou muito bonito, mas faltava devolver a identidade histórica de bondes”, comenta Marcos.

Além de detalhes refeitos na carroceria e na dianteira, exatamente como no modelo da primeira reforma, o bonde aberto passa por um trabalho de revisão das peças originais. Nada de substituir o antigo pelo novo sem a preocupação histórica, todos os equipamentos estão sendo reformados ou reconstruídos fielmente. “Estamos aprendendo com o passado para podermos aplicar no futuro. É o conceito do Museu Vivo”, afirma Rogério.

Em até dois meses o veículo volta a circular, como nos tempos em que a cidade centralizava o comércio cafeeiro e as operações portuárias, seguindo os trilhos de uma história que não se apaga com o tempo.

Enhanced by Zemanta

Setur inclui visita às igrejas durante passeio agendado de bonde

A partir desta terça-feira (14), os grupos interessados em agendar passeios no bonde turístico têm nova opção para incrementar o roteiro: visitas culturais às igrejas, monitoradas por integrantes do Programa Vovô Sabe Tudo, que, por capacitações da Setur (Secretaria de Turismo) e conta própria, especializaram-se na história e curiosidade dos templos.
O agendamento de bonde para escolas, instituições, entidades de servir, grupos de terceira idade teve início no último dia 7 e o atendimento é feito pelo telefone 3201-8000, em horário comercial.
Ao reservar o passeio na linha turística, o grupo – de no mínimo 10 pessoas – deve adiantar seu interesse na visita de algumas igrejas – a primeira será sempre o Santuário do Valongo, ao lado da Estação do Valongo (Largo Marquês de Monte Alegre s/nº, no Centro Histórico), de onde parte o bonde reservado, com guia de turismo.
Às terças e quartas-feiras, há sete horários à disposição, entre 10 e 16 horas, com saídas a cada hora, enquanto às quintas e sextas, o atendimento a grupos será das 10, 11 e 12 horas.
Para entidades filantrópicas, escolas públicas de Santos, centros de convivência e grupos de treinamento e reciclagem de profissionais oferecidos pela Setur, isentos, por decreto, do pagamento da passagem. Após o agendamento por telefone é preciso confirmar a solicitação por fax ou e-mail, adiantando as igrejas de seu interesse, se for o caso.
Igrejas 

Na Igreja do Convento do Carmo, dos freis carmelitas, as visitas são realizadas às terças e sextas, das 9 às 11 horas, enquanto na Igreja do Ordem 3ª, os monitores atendem de segunda a sexta, das 9 às 11 horas, e segundas, quartas, quintas e sextas, das 14 às 17 horas. Na Catedral, os vovôs recebem o público às quintas e sextas, das 10 às 12 horas e das 14 às 17 horas, e aos sábados, das 9 às 12 horas.
Na Basílica do Embaré, a monitoria é feita de quarta a sexta, das 10 às 12 horas e das 14 às 17 horas; aos sábados, das 8 às 11 horas e aos domingos, das 14 às 17 horas. No Santuário do Valongo, o acompanhamento dos grupos ocorre às quartas, das 9 às 16 horas; quinta e sexta, das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas, e aos sábados, das 9 às 12 horas.
Enhanced by Zemanta