Santista demostra otimismo com a situação da cidade

ReveillonPraia

Em toda virada de ano os desejos são sempre os mesmos: paz, saúde, prosperidade e que o período a ser iniciado seja melhor do que o encerrado. E parece que os moradores de Santos têm tido esse desejo atendido. Pelo menos é o que mostra a pesquisa realizada pela Enfoque Comunicação/JornalBoqnews. Quase 70% dos entrevistados afirmaram que 2012 foi um ano bom, enquanto mais de 95% apostam que 2013 será melhor ainda.

Para realizar o levantamento, foram ouvidos 1.202 santistas, com idade acima dos 16 anos, em todas as regiões da Cidade, entre 4 e 12 de dezembro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou menos.

Esse expressivo resultado toma como base a seguinte pergunta: na sua opinião, 2012 foi um ano… Os conceitos ótimo e bom, somados, chegam a 80%. Ruim e péssimo são de apenas 3,4%. Otimismo para dar e vender.

Isso pode se justificar pelo bom momento econômico que a Cidade vive. O índice de desemprego é um dos menores do Brasil (está em 5%, aproximadamente), o mercado foi impulsionado com investimentos nos setores portuários e de serviços, além das vagas geradas pelas empresas de Call Centers, que chegaram ao município nos últimos anos. Além disso, Santos possui o 17º maior Produto Interno Bruto (PIB) do País, à frente de algumas capitais.

E se atualmente a perspectiva é boa, para o futuro o otimismo é ainda maior. Os que acreditam que 2013 será um ano ruim ou péssimo não chegam a 1%. Seja pulando sete ondas, fazendo simpatia ou apenas trabalhando, o santista tem motivos de sobra para esperar um bom ano novo.

Confira os dados:

Na sua opinião, 2012 foi um ano…

Bom 69,7%
Regular 14,4%
Ótimo 11,1%
Péssimo 2%
Ruim 1,4%
Não sei 1,4%

Na sua opinião, 2013 será um ano…

Ótimo 47,8%
Bom 47,5%
Não sei 3,2%
Regular 1%
Péssimo 0,3%
Ruim 0,2%

 

 

Boqnews

Enhanced by Zemanta

Turistas gastam e ficam mais em Santos, aponta pesquisa

Santos tem recebido turistas de maior qualidade. Eles passam mais tempo na Cidade, utilizam mais os serviços da rede hoteleira e gastam mais por dia do que há alguns anos. Esse perfil tem sido alterado nos últimos tempos, com apenas uma exceção: as praias seguem como ponto preferido. É a beleza natural do Município o principal fator de atração de visitantes.

Apesar desse resumo simplificado, os dados mostram em detalhes quem é o turista que procura Santos, seja para se divertir ou para aproveitar alguns dias de folga. Eles constam da pesquisa Perfil dos Turistas de Carnaval em Santos, realizada pelo Instituto de Pesquisa A Tribuna (IPAT) a pedido da Secretaria de Turismo.

O levantamento foi feito durante o Carnaval e teve como objetivo identificar as características do turista santista e suas percepções do Município.

“Sem dúvida, o resultado é positivo. É através dessas informações que baseamos estratégias turísticas e planejamos programas para estimular cada vez mais o setor”, ressalta a secretária de Turismo, Wânia Seixas, que deixa hoje o cargo. “Os investimentos e as apostas que fizemos estão surtindo efeito agora”.

Entre os resultados que mais se destacam está o aumento de pessoas que se hospedam na casa de parentes e amigos: de 27% em 2009 para 42,1% neste ano. Mas também cresce o número de turistas na rede hoteleira: de 27,5% para 42,1%, entre 2009 e 2012 – elevação de 53,1%.

A grande maioria das pessoas vem de outras cidades do Estado de São Paulo. Contudo, é a Capital que ainda concentra o maior número de visitantes que chegam a Santos, com 31,7% do total, percentual que se mantém estável ao longo dos últimos quatro anos, desde que a pesquisa está a cargo do IPAT.

O tempo médio que o visitante passa na Cidade no período prolongado de Carnaval reflete uma tendência que se torna cada vez mais comum. Pouco mais de 17% passaram em Santos a semana toda da folia. No ano passado, esse percentual foi de 10,5% e, em 2009, 8,8%. Já os que pretendiam permanecer apenas durante o Carnaval somaram 72,7%, contra 84% no ano anterior.

As praias continuam sendo o principal atrativo. Wânia lembra que, neste ano, o número de pessoas que procuraram Santos como destino para o Carnaval por causa das praias foi ainda maior devido ao bom tempo.

Depois da orla, os turistas optaram por visitar o bonde turístico (14,4%), a Bolsa do Café (14,2%) e o Santos Futebol Clube (11,2%). O ponto menos visitado foi a Pinacoteca Benedicto Calixto, por onde passou apenas 0,2% dos turistas.

Gasto

O estudo do IPAT também revela que os turistas gastaram mais neste ano do que em 2009, quando foi realizada a primeira pesquisa pelo instituto.

Enquanto em 2009 a maioria dos visitantes (66,3%) despedia até R$ 150,00 e 6,3% tinham gastos de R$ 251,00 a R$ 350,00, o levantamento de fevereiro último mostrou que 17,1% passaram a gastar até R$ 350,00 diariamente.

A maior parte dos consultados pelo IPAT, no entanto, gasta por dia entre R$ 151,00 e R$ 250,00. Eles representam 32,4% do total. A estimativa de gasto diário de permanência na Cidade leva em consideração toda a família e, se for o caso, o custo da hospedagem.

Na avaliação do coordenador do Instituto de Pesquisas A Tribuna, o cientista político Alcindo Gonçalves, isso reforça a ideia da qualidade do turista em Santos, que dispõe de maior poder aquisitivo e busca permanecer por um período maior na Cidade.

Carnaval traz expectativas

A pesquisa do IPAT foi realizada em 19 de fevereiro. A escolha do período de Carnaval deve-se às características típicas do turismo, de acordo com a secretária Wânia Seixas.

“Além do número elevado de turistas durante os dias de folia, o período é excelente para medir a satisfação dos visitantes justamente porque eles se preparam para uma viagem e criam uma expectativa da cidade de destino”, avalia.

Foram entrevistados 400 turistas em diferentes tipos de acomodação, inclusive navios. Deles, 136 estavam hospedados em hotéis em Santos. A margem de erro da pesquisa é de 3,3 pontos percentuais para um intervalo de confiança de 95,5%. Isto é, 95,5% dos resultados estão dentro da margem de erro estabelecida.

 A Tribuna
Enhanced by Zemanta