Novas estações de bicicletas públicas serão implantadas no Centro

_Bicicletas

Chegar ao Centro sobre duas rodas vai ficar mais fácil. É que o sistema de bicicletas públicas da cidade, o ‘Bike Santos’, está ganhando, até o final do mês, mais dez novas estações, a maior parte delas na área central.

Quem trabalha na região ou busca lojas, bancos e serviços ali instalados passará a ter mais uma opção de transporte. Outras 100 bicicletas serão disponibilizadas nos próximos 15 dias pela empresa que opera o sistema, que também terá estações na Vila Mathias, Vila Nova, Marapé, Encruzilhada e Saboó.

Santos já conta com 20 estações fixas implantadas na orla e em diversos bairros da Zona Leste, com 200 bicicletas públicas em circulação. Sem custos para o município, o sistema é operado por uma empresa privada, após chamamento público realizado pela CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). Incentivar o uso de bicicletas é a proposta da prefeitura, visando a aprimorar a mobilidade urbana e a qualidade de vida da população.

Locais das estações em implantação

Praça da República (Alfândega) – Centro Histórico
Praça José Bonifácio X Av. Sen. Feijó – Centro Histórico
Praça Mauá X R. Dom Pedro II – Centro Histórico
Praça dos Andradas (Estação Rodoviária) – Centro Histórico
Praça Ruy de Lugo Viña (Cemitério da Filosofia) – Saboó
Rua Sete de Setembro X Pça Iguatemi Martins (Mercado Municipal) – Vila Nova
Av. Ana Costa entre praia e bulevar da Rua Othon Feliciano – Gonzaga
Rua Barão de Paranapiacaba x Av. Conselheiro Nébias – Encruzilhada
Av. Conselheiro Nébias X Rua D. Luiza Macuco – Vila Mathias
Av. Senador Pinheiro Machado X Praça da Bíblia – Marapé

Enhanced by Zemanta

Novas ciclovias contarão com R$ 6,1 milhões de recursos do Dade

ciclovia

A Prefeitura de Santos irá ampliar a malha cicloviária da cidade e construir novas pistas no Canal 6 (Avenida Joaquim Montenegro) e na Rua João Pessoa (Centro), além de concluir a via em implantação na Av. Nossa Senhora de Fátima (Zona Noroeste). As três obras estão entre os 11 projetos do município que contarão com recursos provenientes do Dade (Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias), órgão vinculado à Secretaria de Estado do Turismo, totalizando R$ 6,1 milhões.

A nova ciclovia do Canal 6 será interligada às existentes na orla e porto, cruzando a faixa da Avenida Afonso Pena. A pista terá 1.800 m de extensão, com 1,80 m de largura, e ficará na calçada lateral ao canal no sentido Praia-Centro.

Também está previsto o plantio de 3 mil m² de grama no entorno, o que contribuirá para absorção da água da chuva e paisagismo. O projeto da obra será analisado pelos órgãos de defesa de patrimônio Condepasa (municipal) e Condephaat (estadual), além do Dade. “Após a aprovação destes órgãos será realizado o processo licitatório da obra, a qual deve ter início no segundo semestre deste ano”, explica Raquel de Melo Ribeiro, chefe do Departamento de Planejamento de Obras da Secretaria de Infraestrutura e Edificações.

Expansão da malha beneficia Centro e Zona Noroeste

A ciclovia da João Pessoa terá 1.700 m de extensão e interligará a ciclovia da Praça dos Andradas à futura ciclovia da avenida Perimetral (Porto), no lado esquerdo da via (contrafluxo do tráfego).

Já a ciclovia da Nossa Senhora de Fátima (ZNO), em construção no canteiro central da avenida, terá 3.200 metros de extensão e será interligada com a pista exclusiva para bicicletas da avenida Martins Fontes. Atualmente, a malha cicloviária de Santos conta com 30,9 Km.

Passeio ciclístico comemora aniversário da cidade

passeio ciclistico

A ABC (Associação Brasileira de Ciclistas) promove domingo (27), às 10h, passeio ciclístico comemorativo ao aniversário da cidade. O evento, que tem apoio da prefeitura e Liga Santista de Ciclismo, terá como ponto de partida e chegada a praça das Bandeiras, no Gonzaga, com percurso até o Centro Histórico. Menores de idade devem estar acompanhados de um responsável.

Os interessados poderão trocar uma lata de leite em pó por camiseta. Os produtos arrecadados serão destinados ao Lar de Amparo à Velhice de Santos. Ao término do evento também haverá bolo para os participantes e sorteio de uma bicicleta.

Bicicletas não podem transitar em calçadas e faixa de areia

bicicleta

Os ciclistas que trafegam em Santos devem obedecer as regras para bicicletas contidas no Código de Trânsito Brasileiro e também na legislação municipal, que proíbem, por exemplo, o tráfego destes veículos em calçadas, na faixa de areia e alamedas dos jardins da orla. As normas valem inclusive para as de uso público, do sistema Bike Santos, sendo que apenas as infantis são liberadas nas calçadas e alamedas.

Para orientar os condutores e coibir abusos que venham a colocar os pedestres em risco, a CET-Santos promove blitze periódicas em diferentes pontos da cidade, sempre com apoio da Guarda Municipal e Polícia Militar. Entre as infrações mais cometidas, estão trafegar nas calçadas e na contramão de vias públicas, avançar sinal vermelho e desrespeitar a travessia de pedestres.

A equipe de fiscalização também informa que onde existe ciclovia o condutor da bicicleta não pode utilizar as pistas destinadas aos demais veículos. Vale lembrar que o ciclista só pode transitar nas calçadas se estiver apenas empurrando a bicicleta.

Enhanced by Zemanta

Locação pública de bicicletas supera 3.400 viagens

MARCELO_MARTINS_3991

O sistema de bicicleta pública – Bike Santos – contabiliza 4.045 viagens entre o último dia 29, quando começou a funcionar, até quinta-feira (6), segundo balanço da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego). A marca representa a média diária de 505 locações. Considerando-se apenas dezembro, o cálculo sobe para 586, com 3.518 viagens nos seis dias do mês.

Até o dia 6, 6.840 pessoas se cadastraram no site do sistema (www.movesamba.com.br/bikesantos), 2.741 das quais habilitaram o passe para uso das bicicletas ao longo das estações instaladas desde o final do novembro.

Os números do Bike Santos demonstram evolução no número diário de viagens. Na terça-feira, pela primeira vez o sistema anotou 661 registros. As estações onde foram retiradas mais bikes foram as seguintes: canal 3 (520), Aquário (487) e emissário submarino (430).

No momento, o sistema oferece 10 bicicletas em cada uma das 14 estações. A av. Ana Costa receberá uma estação com o término das obras de reurbanização no trecho entre a praia e a praça da Independência, fechando a primeira fase do projeto. Até o final de janeiro, outras 15 estações, com mais 150 bikes, serão entregues na segunda etapa de implantação do sistema.

Até o final do ano, a CET prevê outras seis estações: praça Nossa Senhora da Aparecida, praça Fernando Prestes (diante da rua Rodrigo Silva), rua Alfaia Rodrigues x rua Benjamin Constant, rua Barão de Paranapiacaba x av. Conselheiro Nébias, canal 2 (próximo à rua Carvalho de Mendonça) e rua Júlio Conceição x av. Conselheiro Nébias.

O Bike Santos consiste em compartilhar a utilização de bicicletas sem qualquer custo, desde que o usuário esteja previamente cadastrado no site. No ato da adesão, deve autorizar o débito de R$ 10,00 no cartão de crédito a título de caução.

A utilização da bike é gratuita pelo tempo máximo contínuo de 30 minutos e pode ser devolvida em qualquer estação. Após 15 minutos, o usuário pode novamente retirar outra bicicleta.

Ciclovia da divisa começa a ganhar novo traçado

Mais segurança, fluidez ao trânsito e qualidade de vida a pedestres, ciclistas e motoristas. Com estes objetivos, a prefeitura iniciou a construção da ciclovia da divisa entre Santos-São Vicente na faixa de areia, junto à calçada, contornando os prédios na orla do José Menino.

A obra tem o aval do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), da SPU (Secretaria do Patrimônio da União) e da Semam (Secretaria Municipal de Meio Ambiente), e é executada sob supervisão da Siedi (Secretaria de Infraestrutura e Edificações).

Com projeto da Prodesan, em parceria com a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), a nova ciclovia terá 580 metros de extensão e largura variável entre 1,80 m e 2m. No momento, os serviços estão concentrados na fundação para apoio das placas que cobrirão o canal existente, próximo à divisa com São Vicente.

Seguindo os padrões da malha, a ciclovia contará com sinalização de trânsito horizontal e vertical. Um jardim separador será instalado entre a faixa de bicicletas e a calçada junto aos prédios. Haverá ainda reforço da iluminação com a colocação de 32 postes.

Já a ciclovia do canteiro central será retirada para melhorar o fluxo de veículos no trecho da avenida Presidente Wilson, principalmente nos horários de pico, pois passará de três para quatro faixas de rolamento, na pista sentido São Vicente-Santos, aumentando a largura da via de 10,8 m para 12,2 m. O trânsito também vai melhorar com a eliminação do tempo semafórico da travessia do ciclista.

Baia de ônibus – De acordo com a Siedi, também está prevista a construção de uma baia de ônibus (direção São Vicente-Santos), para embarque e desembarque de passageiros. Prevista para ser concluída em quatro meses, a obra tem custo estimado de R$ 538.448,18, provenientes do Fundo das Estâncias, do Dade (Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias).

Boqnews

Trecho da ciclovia entre Santos e São Vicente ficará pronto até dezembro

Livre trajeto para os mais de 60 mil ciclistas que cruzam, diariamente, a divisa de Santos e São Vicente. E previsão de melhora no trânsito num dos principais gargalos logísticos regionais, que por dia dá vazão a 35 mil veículos.

Os cenários otimistas serão possíveis até o final do ano, com a reformulação do trecho da ciclovia entre a divisa com São Vicente e o Emissário Submarino, no José Menino. Ao custo de R$ 538.448,18, as intervenções ficarão ao cargo da Engeterpa – Construções e Participações LTDA, vencedora da licitação iniciada em março.

A ordem de serviço foi publicada na edição do Diário Oficial de Santos de sexta-feira. Os trabalhos serão custeados com recursos estaduais do Departamento de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias Turísticas (Dade). Após as intervenções, o traçado daquele trecho da ciclovia será transferido do canteiro central da Avenida Presidente Wilson para junto à faixa de areia.

Conforme o projeto, a nova ciclovia terá dois metros de largura e será iluminada por 32 postes. Um jardim fará a separação entre a pista exclusiva para ciclistas e o passeio público. O começo das intervenções está datado para a primeira semana de agosto.

O contrato firmado nesta semana tem validade de oito meses. No entanto, a conclusão do lote poderá ser antecipada, conforme o secretário municipal de Infraestrutura e Edificações. Nilson da Piedade Barreiro. “É algo que todos esperam. A segurança de tirar o ciclista do meio da pista não tem preço”.

O novo trajeto irá interligar as malhas cicloviárias dos dois municípios vizinhos, sem nenhum obstáculo. Atualmente, o ciclista precisa cruzar a via em dois trechos. Fato que gera impacto no fluxo de veículos, pois as travessias são realizadas em pontos semafóricos, com intervalos de até 60 segundos cada, dependendo do horário.

Antigo pleito de ciclistas, a reformulação do trecho também terá reflexos no fluxo de veículos. Barreiro afirma que, numa segunda etapa, será refeita a pavimentação da via. A expectativa é que a avenida ganhe mais uma faixa de rolamento. Os cálculos mais otimistas citam ganhos de até 40% na capacidade da via.

Para quem depende da bicicleta para se locomover, as alterações são esperadas há muito tempo. “Deveriam ter feito assim desde o começo. Essa travessia é muito complicada e difícil”, afirma o pedreiro Sebastião Ferreira da Silva, 42 anos. “Sempre tem aquele que não espera o semáforo e se aventura nas ruas”, completa o auxiliar de serviços gerais, Antônio Cosme Moreira, 36 anos.

Já moradores dos condomínios em frente ao futuro empreendimento acreditam no convívio pacífico. “Sem a ciclovia, já há muito fluxo e não tem muitos problemas”, diz a pensionista Lucia Christina de Assis, 66 anos. “Só espero que exista respeito e (a ciclovia) seja bem sinalizada. Pois a gente atravessa (para ir a praia) por aqui”, acrescenta o funcionário público Pedro Correia, 52 anos.

Zona Noroeste

Apesar quase seis meses de atraso, outra antiga reivindicação de ciclistas encaminha para solução. A construção dos quatro quilômetros de ciclovia da Avenida Nossa Senhora de Fátima, na Zona Noroeste, deverá sair do papel também em agosto.

Embora sem obras físicas, Barreiro pontua que os trabalhos de realinhamento de postes de energia já estão foram iniciados. “Não adiantaria iniciar a construção, pois iria criar um transtorno no trânsito sem rendimento de obra”. As intervenções deverão ser entregues no próximo ano.

 

 

A Tribuna

Santos volta aos dias de glória

Sim, Santos voltou a seus dias de glória. Mas não estamos falando do Santos de Neymar, Arouca e Ganso, que acaba de se sagrar tricampeão do Campeonato Paulista. Um século depois de seus tempos áureos, quando seu porto faturava alto com a exportação do café, a cidade tem um novo ouro negro: o petróleo do pré-sal, que já atrai recursos para o município, movimenta o mercado imobiliário e, por consequência, o turismo, a noite e a diversão. Dados do Ibope mostram que Santos se tornou, no ano passado, a cidade com o maior índice de verticalização do país, 63% – a taxa era de 54% apenas dois anos antes. Estima-se que o valor do metro quadrado tenha subido aproximadamente 90% nos últimos cinco anos. A Petrobras está construindo três torres de escritórios em uma área de 25 mil metros quadrados na região do Valongo, na entrada da cidade. A primeira delas deverá ser ocupada por 2 200 funcionários. A obra é a espinha dorsal do complexo turístico, náutico e empresarial do bairro, onde também está sendo erguido o Museu Pelé e que já conta com a antiga estação ferroviária e com o Santuário Santo Antônio.

Santos está se preparando para receber mais gente. Prova disso são os hotéis inaugurados no fim do ano passado: no Boqueirão, a dupla Ibis e Mercure, da rede Accor; no Gonzaga, o Atlântico Golden, versão sofisticada do grupo do Hotel Atlântico – vizinho a este, o Golden era um prédio residencial que foi reformado. Em 2014, há mais dois lançamentos previstos. Na mesma marola, projetos de urbanismo que estavam engavetados vão saindo do papel. Caso da Avenida Perimetral, que foi concluída em 2011 e circunda os enormes terminais portuários.

O Centro Histórico também passa por uma revitalização. O pedaço, que está recebendo nova iluminação, tem como destaque a boêmia Rua XV de Novembro. Ali a novidade é a troca do calçamento, que estava esburacado e desnivelado. Ao fim do trabalho, talvez ainda em junho, ficará com o jeito das calçadas da Avenida Paulista, em São Paulo.

Na região, a famosa Bolsa do Café, edifício construído em 1922 para os pregões cafeeiros, passou a abrir seu museu também à noite, quando é possível ver com maior dramaticidade os murais do pintor Benedito Calixto. Outro upgrade é no número de bondes que percorrem as ruas da região, de três para cinco. O trajeto é apreciado por 10 mil passageiros ao mês. Quem gosta de bonde também deve curtir o funicular, que vai do Centro ao mirante do Monte Serrat, evitando a canseira dos 415 degraus.

É na noite e na gastronomia que os ventos das mudanças sopram com maior vigor. Bares clássicos, como o alemão Heinz, no Boqueirão, seguem lotados, mas dois novatos entraram na briga. O Bodegaia, na XV, tem porções servidas na telha (o escondidinho de carne-seca sai a R$ 52); e o Australiano, no Embaré, um inusitado pub à beira-mar, tem brejas de todos os cantos (o pint de Guinness custa R$ 17).

Quando se fala em comida, os tradicionais pratos de pescados da orla vão perdendo espaço para combinações mais sofisticadas. Novidade na paisagem, o Guaiaó, no Boqueirão, serve, por exemplo, polvo braseado com tarê (tipo de molho agridoce de caju, R$ 53). Ali perto, a Enoteca Decanter vai além do papel de empório: faz bacalhau à lagareira. Para um jantar romântico, prefira o italiano Da Sorata, no Gonzaga, especializado no ravióli com queijo mascarpone, cogumelos e lagostim (R$ 48).

Em uma cidade repleta de universitários e com o maior porcentual de mulheres do Brasil (54,25%, segundo o IBGE), a noite não deixaria de ser sacudida. O Moby Club, no Gonzaga, assim como a Bikkini Barista, na XV, seguem firmes, mas boas casas surgiram no Centro há menos de um ano: o Antonina Bar, que aposta em samba, pop rock e sertanejo, e a eclética Naypp, com teto retrátil. Na Praia do José Menino, a velha Santos vai bem, obrigado. Explore o Parque do Emissário Submarino, que reúne ciclovia, playground, pistas de skate e corrida e o museu do surfe. Lá você pode aprender as manhas das ondas na escola de Picuruta Salazar, surfista que acumula 160 troféus desde 1972. Ainda no José Menino, a grande notícia deste mês é a reinauguração do orquidário, ampliado em 10% de sua área. “Foi criada a trilha do mel, que passa por seis colmeias de abelhas que não picam, e há agora mais 3 mil orquídeas”, conta marcelo Fachada, secretário de Turismo de Santos.

Ao longo dos 7 quilômetros de orla, não se veem águas no tom verde-Maragogi, mas o jardim que contorna a praia é considerado pelo Guinness Book o maior de orla do mundo. Com 2 mil árvores e 100 espécies de flores, ele encampa o aquário, na Ponta da Praia, que está sendo reformado, além de 7 dos 30 quilômetros de ciclovias de Santos, que é bem plana, mas só tem duas locadoras de bicicletas: Beach Bike e Bike Brall, ambas no Embaré. Não íamos falar de futebol, mas, que diabos, o Santos celebra neste ano seu centenário e, com isso, modernizou seu memorial, na Vila Belmiro (que não tem a ver com o do Pelé, no Valongo). Entre as novidades, Neymar, o maior artilheiro do time desde os tempos de Pelé, ganhou espaço próprio.

Vem por aí:

• O Museu Pelé, que deve ser inaugurado em dezembro, terá grande acervo de fotos, filmes, troféus, documentos e objetos pessoais, além de uma escultura do Rei feita por Oscar Niemeyer.

• O trem turístico que promovia um passeio pela Serra do Mar entre Santos e São Paulo também promete ser, finalmente, reativado. Mas a previsão é que isso ocorra somente em 2014.

• Em 2016 haverá um túnel para ligar, por baixo d’água, o bairro do Macuco a Vicente de Carvalho, no Guarujá.

 

Santos (DDD 13)

FICAR

Boas-novas são o confortável Atlântico Golden (Rua Jorge Tibiriçá, 40, Gonzaga, atlanticogolden.com.br; diárias desde R$ 281; Cc: A, D, M, V) e, no Boqueirão, a dupla Ibis (Avenida Vicente de Carvalho, 50, 2127-1660; diárias desde R$ 179; Cc: A, D, M, V) Mercure (Avenida Washington Luís, 565,mercure.com; diárias desde R$ 240; Cc: A, D, M, V).

COMER

No Boqueirão, próximo aos hotéis Accor, um trio faz a diferença: famoso pelo chope, o Heinz (Rua Lincoln Feliciano, 118, 3286-1875; Cc: A, D, M, V) tem comida alemã; a Enoteca Decanter (Rua Mato Grosso, 290, 2104-7555; Cc: A, D, M, V) faz o papel de restaurante, empório e bar; e o Guaiaó (Rua Dom Lara, 65,guaiao.com.br; Cc: A, D, M, V) conta com um requintado cardápio do mar. No Centro, o Bodegaia (Rua XV de Novembro, 26, 3219-2024; Cc: A, D, M, V) serve porções na telha. Para um programa a dois, invista no italiano Da Sorata (Rua Luís de Faria, 116, Gonzaga, 3288-3309; Cc: A, D, M, V). Já o Australiano(Avenida Bartolomeu de Gusmão, 23, Embaré, 3345-6318; Cc: A, D, M, V) é um pub com cervejas do mundo todo.

PASSEAR

Não perca o estilo colonial barroco do Santuário Santo Antônio (Largo Marquês de Monte Alegre, 13, Valongo). No Centro, visite o lendário prédio da Bolsa do Café (Rua XV de Novembro, 95, 3219-5585; 3ª/sáb 9h/16h15, dom 10h/16h15; R$ 5), que abriga o museu, e passeie de bonde (Praça Mauá; 3ª/dom 11h/17h; R$ 5) ou de bondinho funicular (Praça Correia de Melo, 33, 3221-5665; R$ 21). De lá, vá àPraia do José Menino, onde estão o Parque do Emissário Submarino (Avenida Presidente Wilson) e oMuseu do Surfe. O complexo é vizinho ao novo Orquidário (Praça Washington, 3237-6970; 3ª/dom 8h/18h; preço não divulgado antes da reabertura, agora em junho). No Embaré estão as duas locadoras de bikes de Santos, que não são da prefeitura: a Bike Brall (Rua Oswaldo Cochrane, 30, 3271-4152) e aBeach Bike (Avenida Bartolomeu de Gusmão, 51, 3272-1608). Na mesma via, só que na Ponta da Praia, está o Aquário (3236-9996; 3ª/6ª 9h/18h, sáb/dom 9h/20h; R$ 5). A atração, que tem até tanque exclusivo para tubarões-lixa, costuma lotar quando chove. Curte futebol? Faça uma visita monitorada ao Memorial de Conquistas do Santos e pise no gramado da Vila Belmiro (Rua Princesa Isabel, 77, 3225-7989; 3ª/dom 9h/18h; R$ 10).

AGITAR

O Centro está mais agitado com a Naypp (Rua São Francisco, 19, 3221-4590; Cc: V) e o Antonina Bar(Rua XV de Novembro, 49, 3219-4585; Cc: D, M, V), sem falar na Bikkini Barista (Rua XV de Novembro, 94/96, 3219-3116; Cc: A, D, M, V). O Moby Club (Avenida Vicente de Carvalho, 30, Gonzaga,moby.com.br; Cc: D, M, V) tem tecno, pop, rock e reggae.

 

Revista Viagem e Turismo


Enhanced by Zemanta

Ciclovias de Santos

A cidade plana e o clima litorâneo de Santos, litoral paulista, favorecem o uso da bicicleta como meio de transporte. Por isso a malha cicloviária de 21 quilômetros fica lotada no fim da tarde de dias de semana, quando adolescentes voltam da escola e trabalhadores voltam para casa, alguns carregando os filhos pequenos.
As ciclovias em Santos foram a saída encontrada para a cidade que não tinha mais para onde crescer. Delimitada por cercas verdes, elas tem ligação com as cidades vizinhas São Vicente e Guarujá (por meio da balsa). Diariamente, chegam a Santos, entre 6h e 9h, 7.960 ciclistas. Entre 17 horas e 20h30, o movimento é intenso na saída da cidade.
Os pontos fortes são a sinalização, a iluminação e as condições para ter um espaço sempre limpo. Cestas de lixo foram colocadas ao longo da ciclovia e ficam distantes poucos metros uma da outra. Todas as travessias de pedestres são pintadas no tom de vermelho e um totem azul mostra que ali é uma área de atenção. A iluminação, durante a noite, é feita por postes de luz branca separados por uma distância de poucos metros e os cruzamentos mais perigosos apresentam um semáforo especial para os ciclistas ou têm o chão trepidante para que eles sejam obrigados a diminuir a velocidade.

Santos ultrapassa 20 km de malha cicloviária

O município continua ampliando sua malha de ciclovias, o que consolida os avanços já conquistados ao longo dos últimos. A condição de ser uma cidade quase totalmente plana favorece a adesão a esta modalidade de transporte, que além de econômica, é saudável e ambientalmente correta. Com a inauguração do trecho de pistas exclusiva para bicicletas no Parque Municipal Roberto Mário Santini (praia do José Menino), a cidade alcançou a marca de 20,9 km de ciclovias.

Santos é destacada pela ABC (Associação Brasileira dos Ciclistas) como ‘cidade amiga da bicicleta’ pelo estímulo que dá ao uso desse meio de transporte. A malha cicloviária santista interliga as zonas Noroeste e Leste; e também a divisa com São Vicente na orla até a área portuária.

Ao longo da praia, da divisa com São Vicente até a Avenida Mário Covas Júnior (Portuária), na Ponta da Praia, são 7.874 metros. Nas avenidas Francisco Glicério e Afonso Pena, mais 6.250 metros; na Mário Covas, 3.050 metros; na Avenida Rangel Pestana, 476 metros; na Avenida Martins Fontes, 1.680 metros; e da Praça Dutra Vaz (em frente à Santa Casa) até a Praça dos Andradas, passando pelo túnel, são 1.600 metros.

A Prefeitura constriu mais um trecho de 680 metros, entre as praças dos Andradas e Lions, ligando a ciclovia da entrada da cidade ao Centro. Também estão sendo executados mais sete quilômetros de ciclovia: 3,5 km na Avenida Pinheiro Machado (Canal 1), e 3,5 km na Av. Ana Costa. Ambas interligarão a orla ao Centro, percorrendo inúmeros bairros da Zona Leste da cidade.

EXTENSÃO DAS CICLOVIAS E CICLOFAIXAS DE SANTOS

• Ciclovia da Orla – Total: 7.874 metros construídos
(do Emissário/José Menino até Avenida Mário Covas Jr.):

Emissário/Divisa com São Vicente – 600 metros

Emissário/Canal 1 – 554 metros
Canal 1/Canal 2 – 668 metros
Canal 2/Canal 3 – 1.035 metros
Canal 3/Canal 4 – 890 metros
Canal 4/Canal 5 – 720 metros
Canal 5/Canal 6 – 896 metros
Canal 6/R. Carlos de Campos – 651 metros
R. Carlos de Campos/ Ferry Boat – 1.600 metros
Ferry Boat/Mário Covas – 260 metros

• Ciclovia Francisco Glicério/Afonso Pena – Total: 6.250 metros construídos
(Av. Sen. Pinheiro Machado até Av. Mário Covas Jr.):

Canal 1/Av. Conselheiro Nébias – 2.450 metros
Av. Conselheiro Nébias / Av. Mário Covas Jr. – 3.800 metros

• Ciclovia Av. Mário Covas Jr. – Total: 3.050 metros construídos
(Praça Almirante Gago Coutinho até Av. Siqueira Campos/Canal 4):
A antiga ciclofaixa passou por obras de revitalização, com pista segregada das faixas de rolamento de veículos. Construção de calçadas, linhas-guias de concreto e asfaltamento da pista de bicicletas.

• Ciclofaixa Av. Rangel Pestana – Total: 476 metros construídos
Av. Ana Costa / Rua Brás Cubas

• Ciclovia Av. Martins Fontes – Total: 1.680 metros construídos

Praça Lions / Rua São Sebastião

•  Ciclovia Santa Casa/Túnel/Praça dos Andradas – Total: 1.600 metros

.Praça Dutra Vaz; Av.Cláudio Luiz da Costa; Av. Waldemar Leão; Túnel; Praça dos Andradas

• Praça dos Andradas até Praça Lions – aproximadamente 680 metros

• Ciclovia Canal 1/Orla – aproximadamente 3.500 metros (Praça Espaço Cidades Irmãs; Ruas Newton Prado; Rio Grande do Sul; Guilherme Álvaro; Alfredo Ximenez; Canal 1; Praça Dutra Vaz).

• Av. Ana Costa – aproximadamente 3.500 metros

MALHA CICLOVIÁRIA DE SANTOS = 20.930 metros construídos

Reportagem: IG

Informações: Prefeitura de Santos

Enhanced by Zemanta